São empreendimentos para a promoção de ciência, tecnologia e inovação que oferecem oportunidade para as empresas do Estado transformarem pesquisa em produto, aproximando os centros de conhecimento (universidades, centros de pesquisas e escolas) do setor produtivo (empresas em geral). Esses ambientes propícios para o desenvolvimento de Empresas de Base Tecnológica (EBTs) e para a difusão da Ciência, Tecnologia e Inovação, estimulam a sinergia de experiências entre as empresas, tornando-as mais competitivas.

Por meio do Sistema Paulista de Parques Tecnológicos (SPTec), o Governo do Estado de São Paulo dá apoio aos parques tecnológicos com o objetivo de atrair investimentos e gerar novas empresas intensivas em conhecimento ou de base tecnológica, que promovam o desenvolvimento econômico do Estado. O Parque Tecnológico de São José dos Campos foi o primeiro a receber o status definitivo no Sistema. Atualmente,

+PARQUES TECNOLÓGICOS

Lista atualizada em abril de 2019

Parques Tecnológicos com Credenciamento Definitivo

1. Parque Tecnológico de São José dos Campos (Resolução emitida em 28/12/10) – em operação

2. Parque Tecnológico de Sorocaba (Resolução emitida em 08/08/12) – em operação

3. Parque Tecnológico de Ribeirão Preto (Resolução emitida em 07/11/12) – em operação

4. Parque Tecnológico de Santos (Resolução 14 emitida em 20/12/2012) – em obras civis

5. Parque Tecnológico de Piracicaba (Resolução 15 emitida em 20/12/2012) – em operação

6. Fundação Parque Tecnológico de São Carlos – ParqTec (Resolução 4 emitida em 05/04/13) – em operação

7. Parque Tecnológico de São José do Rio Preto (Resolução emitida em 19/01/2016) – em operação

8. Parque Tecnológico de Botucatu (Resolução emitida em 19/01/2016) – em operação

9. Parque Tecnológico de Santo André (Resolução emitida em 19/01/2016) – em projeto

10. Parque Tecnológico de Campinas – Universidade Estadual de Campinas (Resolução emitida em 19/01/2016) – em operação

11. Parque Tecnológico CPqD – Campinas (Resolução emitida em 19/01/2016) – em operação

12. Parque Tecnológico do Centro de Tec. da Inf. Renato Archer Campinas (Resolução emitida em 19/01/2016 – em operação

13. Techno Park de Campinas (Resolução emitida em 19/01/2016) – em operação

Parques Tecnológicos com Credenciamentos Provisórios

1. Parque Eco-Tecnológico Damha – São Carlos – em operação

2. Parque Tecnológico de Barretos – em projeto

3. Parque Tecnológico de São Paulo – Jaguaré – em projeto

4. Parque Tecnológico de São Paulo – Zona Leste – em projeto

5. Parque Tecnológico de Araçatuba – em projeto

6. Parque Tecnológico da UNIVAP (São José dos Campos – Novo) – em operação

7. Parque Tecnológico de Campinas – Ciatec – em projeto

8. Parque Tecnológico de Marília – em projeto

9. Parque Tecnológico de Guarulhos

Parques Tecnológicos Descredenciados (2)

1. Parque Tecnológico Mackenzie Tamboré – Barueri (04/12/12)

2. Parque Tecnológico de Ilha Solteira (06/03/13

+ INFORMAÇÕES PARA MUNICÍPIOS

Para fazer parte do SPTec, a prefeitura ou a entidade gestora do parque tecnológico deve encaminhar um ofício à Secretaria de Desenvolvimento Econômico solicitando sua inclusão no Sistema Paulista de Parques Tecnológicos.

Para obter o credenciamento provisório no SPTec, o interessado deve contar com um centro de inovação tecnológica, em operação, já cadastrado na Rede Paulista de Centros de Inovação Tecnológica (RPCITec), e uma incubadora de empresas, em funcionamento, integrante da Rede Paulista de Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica (RPITec).

É necessário ainda comprovar a propriedade de uma área de no mínimo 200 mil m², enviar documento manifestando apoio à implantação do parque subscrito por empresas locais, bem como centros de pesquisa e instituições de ensino e pesquisa, além do projeto básico do empreendimento, contendo o esboço do projeto urbanístico e estudos prévios de viabilidade econômica, financeira e técnico-científica.

Após a aprovação dos documentos, o credenciamento provisório será concedido pelo período de quatro anos.

Para a conquista do credenciamento definitivo, efetuado por meio de uma resolução, a entidade gestora deverá também atender os requisitos exigidos no artigo 8º do decreto nº 60.286/14, de 25 de março de 2014.