Pelo Minha Chance, empresas sinalizam capacitação necessária para mão de obra

Com informações das companhias, Governo de SP avalia realização de cursos de qualificação na região indicada; entenda como funciona

Fonte: Governo do Estado de São Paulo

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, promove ações para aumentar a empregabilidade em São Paulo e auxiliar na melhor adaptação dos profissionais às demandas da sociedade e do mercado de trabalho local.

Uma das iniciativas é o programa Minha Chance, em que a empresa se cadastra no portal e declara a necessidade de mão de obra qualificada no período de 2 a 6 meses. A partir dessas informações, o Governo avalia a possibilidade de promover cursos e atividades de capacitação, que auxiliem os alunos a conseguir uma eventual vaga de emprego. Nesta terça-feira (5), o Governador João Doria assinou uma parceria com o Movimento Brasil Digital para abertura de novas vagas de emprego da ação.

A iniciativa incluirá 33 novas grandes empresas e ainda prevê ações no aperfeiçoamento dos cursos profissionalizantes já ofertados. Já foram assinados também duas outras parcerias para geração de empregos no Estado, com a IBM e Nestlé.

“O Minha Chance talvez seja a forma mais concreta de atuarmos diretamente na geração de oportunidades de emprego e renda. Temos reunidos conosco quem gera essas vagas e quem prepara os nossos jovens e adultos para que possam ocupar essas oportunidades”, explicou a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, em discurso durante a solenidade desta terça-feira (5).

Cadastro de vagas

Com as informações fornecidas pelas empresas cadastradas no site do programa, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico avalia a possibilidade de formação na região indicada e com o conteúdo proposto, levando em conta o potencial de absorção da mão de obra pelas companhias.

Por meio do portal, as empresas cadastradas no Minha Chance poderão incluir os cursos necessários para treinar alunos que desejam contratar. As companhias também poderão acompanhar o andamento do processo de aprovação dos cursos e a abertura das turmas.

Desse modo, o Estado de São Paulo aumenta a empregabilidade dos seus cidadãos, recebe feedbacks sobre como melhorar seus cursos e caminha para uma maior parceria entre setor produtivo e Estado na qualificação da mão de obra, formando um círculo virtuoso entre todos esses atores.

O empregador ganha porque recruta dentro de um universo restrito de profissionais com alguma qualificação. Da mesma forma, a população desempregada e que faz cursos é beneficiada porque tem maior perspectiva de conseguir um emprego após se qualificar. Além disso, o contribuinte constata que o recurso público voltado para formação é usado de forma mais eficiente e direcionada.

Os interessados em procurar por cursos gratuitos de qualificação também podem acessar o site do programa. Na área “Cursos abertos”, é possível ver quais especialidades têm vagas disponíveis e quais cidades do Estado. A inscrição é realizada pelo Via Rápida, que concentra os cursos, ministrados por professores do Centro Paula Souza – responsável pela administração das Etecs e Fatecs.

Empregabilidade

Com foco na empregabilidade dos participantes, os cursos, com carga horária de 80 e 100 horas, são oferecidos de acordo com a demanda de empresas parceiras que cadastraram as vagas no portal do Minha Chance.

O grande diferencial da iniciativa é que, no fim das aulas, já com o certificado, o aluno é encaminhado diretamente para o processo seletivo das empresas parceiras, aumentando a chance de ser empregado.

A ação tem um papel estratégico e transformador na lógica da política de qualificação profissional do Governo do Estado, que é majoritariamente operacionalizada pelo Centro Paula Souza (CPS) e tem gestão da pasta.

“Programas como o Minha Chance representam a possibilidade de cumprir com a missão e os objetivos do CPS porque promovem maior proximidade com os setores produtivos para formar o profissional mais adequado às necessidades das empresas, ajudando na definição de competências, conteúdos e currículos, entre outros elementos fundamentais para a qualificação profissional de qualidade e de acordo com a demanda da oferta de emprego”, ressaltou a vice-diretora-superintendente do CPS, Emilena Bianco.

O objetivo da iniciativa é otimizar a oferta de vagas em cursos de qualificação profissional por meio dos programas da secretaria e do CPS, de acordo com as demandas das empresas e do mercado de trabalho. O empregador tem a vantagem de direcionar as vagas a profissionais com boa qualificação e o trabalhador faz o curso com a perspectiva de conseguir um emprego após se qualificar.