Etec de Caçapava é a vencedora do Hackathon Acadêmico 2019

Equipe campeã desenvolveu app para facilitar o aprendizado de química; objetivo é participar de mentorias e comercializar a ferramenta

Fonte: Centro Paula Souza

O projeto Organic da Escola Técnica Estadual (Etec) Machado de Assis, de Caçapava, conquistou o primeiro lugar no Hackathon Acadêmico 2019, realizado nesta terça (5), na sede do Centro Paula Souza (CPS), na Capital.

A Etec Elias Nechar, de Catanduva, ficou em segundo lugar com o app Taub School, e a Etec de Mauá obteve a terceira colocação com o Increaz. Realizado pelo projeto Robótica do CPS, o evento contou com o apoio das empresas iFood e Oracle, que participaram da comissão julgadora e apresentaram palestras sobre inovação. A competição teve 669 alunos inscritos, distribuídos em 128 equipes de 17 Etecs.

O desafio proposto pelo Hackathon deste ano foi a criação de um aplicativo voltado à educação. O Organic é um jogo desenvolvido para facilitar o aprendizado da disciplina de química orgânica. Para o estudante do curso técnico de Química Gabriel Victor dos Santos, a ideia do grupo da Etec de Caçapava foi propor um jogo multiplataforma e leve que pudesse ser acessado por qualquer pessoa que tenha um celular com acesso a internet. “A dificuldade de aprender química é um sentimento democrático que atinge todos que estão no terceiro ano do Ensino Médio”, comenta. “Essa angústia geral nos motivou a criar uma ferramenta lúdica e visual, que garantisse ao conteúdo teórico um aspecto mais palpável e prático.”

Aperfeiçoamento do app

Além de Gabriel, o grupo vitorioso é formado pelos alunos Daniel Feliciano, Elisandra Trindade, Flávio Simplício e Vinícius Silva. A turma está confiante e continuará trabalhando no aperfeiçoamento do app para que o aplicativo possa ser disponibilizado na Apple Store. Para o coordenador do projeto, Cláudio Gomes, a experiência de participar do Hackathon é uma oportunidade de estímulo para os jovens se profissionalizarem. “O formato da competição é um tipo de metodologia ágil que submete os alunos à situação de pressão e esse é um dos aspectos do mercado de trabalho formal”, avalia.

Outras Etecs que participaram da etapa final foram a de Campinas (Bento Quirino e as extensões Francisco Glicério e Hercy Morais), Cândido Mota (Professor Luiz Pires Barbosa), Capital (Jardim Ângela) Garça (Monsenhor Antônio Magliano) e São José dos Campos (Professora Ilza Nascimento Pintus).